• Ligamos
    pra você
  • Fale com
    o corretor
  • Busca por
    filtros

    Selecione os campos para filtrar sua busca

Novidades

Notícias - 14/01/2016

JAN/16 - Minha Casa, Minha Vida eleva valor do teto para imóveis

O limite do valor do imóvel para financiamentos da terceira etapa do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) em Goiás foi expandido. Em Aparecida de Goiânia – um dos municípios mais visados pelo setor nos últimos anos - saltou de R$ 145 mil para R$ 170 mil. Já na capital, o reajuste dos valores máximos para imóveis das faixas 2 e 3 foi mais tímido, passando de R$ 170 mil para R$ 180 mil. A estimativa da Caixa Econômica Federal (CEF) é que o mercado de habitação popular tenha crescimento de 30% nos financiamentos de imóveis de até R$ 225 mil.

Embalado na elasticidade dos valores dos imóveis está o limite mensal dos beneficiários do MCMV, que subiu de R$ 5 mil para R$ 6,5 mil e as taxas de juros (veja quadro).

Na avaliação da presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado de Goiás (Sindimóveis-GO), Lucimar Alves Elias, a extensão do limite do valor do imóvel facilita a viabilidade da construção do produto em Goiás. Ela explica que, mesmo com o mercado pouco aquecido, os valores dos terrenos continuam elevados, sobretudo, em Aparecida de Goiânia.

Outro ponto favorável ressaltado é o aumento do teto da renda mensal familiar. “Pode-se fazer a composição da renda entre marido e mulher, o que abrange o número de moradores em Goiás que não possuem casa própria”, explica, acrescentando que essa é a forma mais viável de conseguir o primeiro imóvel.


Foco

As instruções normativas que vão orientar a terceira fase do programa balizam as faixas 2 e 3 cujos recursos são do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), com perspectiva de serem a mola propulsora do MCMV este ano. Já o faixa 1, para famílias com renda até R$ 1,6 mil e onde está concentrada boa parte do déficit habitacional, deve ficar estagnado.


“As grandes construtoras, que trabalham com a faixa 2 e 3 do Minha Casa, Minha Vida, não enfrentam problema de estoque e de velocidade de renda. É que, na habitação social, o cliente está trocando o aluguel pela prestação da casa própria. Então, para ele, não faz sentido mudar a decisão de comprar”, explica o superintendente de habitação da CEF, Teotônio Rezende.

Levando em consideração esse aspecto soma-se o aumento do limite de renda mensal dos beneficiários para até R$ 6,5 mil e o reajuste dos valores dos imóveis que configura a estimativa de 30% de crescimento do setor.

Lucimar acredita que o foco do governo nas faixas 2 e 3 do programa devem beneficiar o Estado. “Temos uma estrutura econômica um pouco diferente dos demais Estados. É a faixa que temos uma renda mais abrangente e a liquidez deve ser maior”, calcula.

Compartilhe

Outras novidades

Ver todas
Ver todas