• Ligamos
    pra você
  • Fale com
    o corretor
  • Busca por
    filtros

    Selecione os campos para filtrar sua busca

Novidades

Notícias - 20/01/2015

JAN/15 - Goiânia foi a cidade que teve a maior valorização imobiliária

O preço dos imóveis em Goiânia fechou 2014 com valorização de 12,72%, a maior alta entre as 20 cidades pesquisadas pelo Índice FipeZap Ampliado, levantado mensalmente pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A ligeira redução da oferta e demanda ainda aquecida favoreceram a valorização. Este cenário deve continuar presente em 2015, forçando a continuidade de alta nos preços na capital.

Embora acumule a maior alta, Goiânia ainda se mantém com o segundo menor preço do metro quadrado, custando R$ 4,056. O preço médio do País fica em R$ 7.537. O valor em Goiânia perde apenas para Contagem (R$ 3.386 ). A cidade com o m² mais caro no ano passado continuou sendo o Rio de Janeiro (R$ 10.893), seguida por São Paulo (R$ 8.351).

O índice mostra, portanto, que houve ganho real nos preços imóveis na capital, acima da expectativa de inflação (6,4%). Na média das cidades abrangidas pela pesquisa a alta no ano passado foi de 6,7%. Essa é a menor variação anual registrada pelo indicador, que em 2013 teve alta de 13,74%.

De acordo com o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás, (Ademi), Renato de Sousa Correia, o resultado da pesquisa mostra que a média nacional acompanha a inflação. Goiânia, assim como a região metropolitana, apresentam ganho real nos preços.

Com relação à variação mensal, em dezembro Goiânia registrou aumento de 0,79, acima dos 0,53% registrados em novembro. Nesse caso, a variação na capital foi a terceira maior entre as 20 cidades pesquisadas e acima também da inflação esperada para o mês (0,75%).


Preços continuaram em alta em 2015

Cerca de 9,5 mil unidades imobiliárias compõem o estoque de imóveis em Goiânia, número menor que as 13,5 mil unidades estocadas em 2013. Apesar da ligeira redução na oferta a demanda ainda continua alta na capital e região metropolitana, explica o presidente da Ademi, Renato de Sousa Correia.

Essa demanda constante, diz ele, acaba refletindo no preço e deve estimular novas altas neste ano que se inicia. “Para frente, mantendo essas condições econômicas, deve se repetir essa valorização acima da inflação em Goiânia. Isso, se o mercado continuar, e ele ainda está saudável e equilibrado”, avalia.


Estímulo

O ambiente positivo é estimulado por condições favoráveis de produção, com bom volume de financiamentos bancários, segurança, mão de obra e boas condições de pagamento para o cliente. “Isso, em um ambiente onde se tem taxas de crescimento consecutivos e acima da média brasileira, acaba atraindo além das pessoas que nascem e moram aqui, outras pessoas que vem em busca mudança de vida”, completa o presidente.

Compartilhe

Outras novidades

Ver todas
Ver todas